quarta-feira, 21 de abril de 2010

O impronunciável vulcão islandês



O impronunciável vulcão islandês é uma amostra da vulnerabilidade da nossa civilização em relação a fenómenos naturais. O encerramento do espaço aéreo europeu devido à nuvem de cinzas vulcânicas demonstrou que a UE tem muito de europeia mas pouco de união.

Um plano de emergência europeu para catástrofes naturais ou as eternas incompatibilidades entre os tipos de bitola (a distância entre os carris) dos diversos países europeus - um legado dos primórdios da industria ferroviária que perdura até aos nossos dias - são alguns desses handycaps. Para todos os efeitos não há uma ligação de comboio que vá de Lisboa à Polónia (onde actualmente acaba a UE) e o avião, pela primeira vez na História da aviação, mostrou a sua vulnerabilidade. Micro-particulas de cinza podem danificar os rotores dos modernos motores a jacto provocando o sobre-aquecimento com a consequente destruição do material. Claro que uma coisa é uma avaria em terra e outra uma avaria a vários quilómetros de altitude…

Uma união europeia num continente que há pouco mais de vinte anos estava dividido em dois polos de influência, no qual há setenta anos rugia uma guerra que deixaria profundas marcas na sociedade afigura-se difícil. Se bem que tudo comecou com interesses económicos, na formação da Comunidade do Carvão e do Aço, posteriormente CEE e agora UE, esta união já não pode limitar-se a números e questões de subsídios e financiamentos ou ao ambicioso projecto da moeda única.

Se num futuro próximo o vulcão islandês – com um nome impronunciável – entrar em erupção, ou ainda pior, o seu parceiro de eras geológicas (ainda maior) recuaremos para os tempos do barco, do transatlântico, do comboio. A Europa e o mundo não podem parar e alternativas procuram-se, não só em relação a transportes como também nos combustíveis.


O que espero nunca venha a ser alterado são os tamanhos das pizzas na Polónia, verdadeiras mós de moinho em comparação com os seus congéneres europeus. Que nunca mudem a ‘bitola’ das pizzas polacas!

5 comentários:

Pedro Paulo disse...

Essa "pizza" na segunda figura punha o meu vulcao em erupcao... isso e que iria ser uma actividade do catano.

Ricardo Taipa disse...

Como te compreendo. De facto na Polónia, mais do que estarmos expostos a cinzas vulcanicas, estamos demasiado expostos a outro tipo de 'radiacoes' (Misha Dixit) :))

João Tavares disse...

Pizzas 50cm? as "Telepizzas e Pizzahuts" são meninos comparando com essas...

Até em termos de sabor, são bem melhores as congéneres polacas :D

Também acho engraçado o facto de servirem sempre um prato com ketchup ou algum outro molho junto com a pizza, enquanto que aqui em Portugal todos deixam os rebordos das pizzas, também se pagam né? então o ketchup é sempre uma boa solução :P

Anónimo disse...

Desculpem desviar o assunto, mas vou viajar para a Polónia em Junho. Como costuma estar o tempo? Há quem diga que é muito quente, outros que é frio...

Obrigado... Gosto muito do teu blog!

Ricardo Taipa disse...

Caro anónimo. A comunidade portuguesa na Polónia tem um fórum onde respondemos às mais variadas questões e ajudamos os nossos compatriotas. Convido-o a inscrever-se em:

http://portuguesesnapolonia.pl/