quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Vaga de frio


A vaga de frio que se sente na Europa traduz-se por diferentes temperaturas de acordo com a localização geográfica de determinados países, aqui na Polónia a vaga de frio significa temperaturas negativas mesmo durante o dia e muita queda de neve.
Dizem os meteorologistas que lá para Sábado deve melhorar mas por enquanto ainda tem sido bastante duro conduzir nestas condições.

Ao fim de algum tempo habituamos-nos à rotina de encontrar o carro coberto de neve logo pela manhã e ao ritual de escovar a mesma ao longo da toda a carroçaria.
Apesar de alguns condutores arriscarem devemos sempre limpar toda a neve dos vidros, faróis, indicadores de mudança de direcção, farolins, luzes de matrícula e chapas de matrícula não só pela segurança acrescida mas também para evitar as pesadas multas que se aplicam aos infractores.

Médios são obrigatórios todo o dia e durante todo o ano.

Uma astúcia que alguns condutores praticam para aquecerem o motor mais rapidamente consiste na aplicação de um cartão/chapa por trás da grelha do capot.


O pico do frio (-19) foi na ultima Segunda-Feira e custou-me uma bateria nova (cerca de 100€) pois a antiga, com a queda repentina da temperatura, perdeu muita carga e não foi suficiente para rodar o motor ao fim de algumas tentativas.
Diga-se de passagem que um motor Diesel em países tão frios talvez não seja a melhor opção para o Inverno mas, o que me vai valendo, é o facto de serem apenas picos de temperaturas baixas normalmente provenientes de frentes frias na Sibéria ou na Escandinávia (Lapónia)...




A velocidade a que circulo dentro da cidade, mesmo com pneus de Inverno, ronda os 40 ou máximo 50 quilómetros hora pois quando neva copiosamente os limpa-neves da cidade não conseguem dar vazão a tantas estradas cobertas de neve.

Quando isto acontece deixamos de ler a sinalização das estradas e perdemos um pouco a noção das faixas de rodagem, faz-se tudo em câmara lenta e com extrema cautela.

No meu caso uso muito poucas vezes o travão de mão para ajudar a negociar alguma curva mais complicada na qual a frente aponta bastante.
Um cheirinho de travão de mão e contra-brecagem é suficiente e por vezes até se torna divertido.




11 comentários:

Zé da Bola disse...

Os limpa neves não limpam nada de nada... só estradas principais. Nesse aspecto em França é muito melhor. Se bem que por lá não limpam tudo também... Mas pela minha experiência da cidade onde moro eles não limpam é nada. Põe areia, ou que raio é aquela coisa, o que não ajuda grande coisa. Um país onde neva com frequência deveria ter melhores métodos para combater estas intempéries. Enfim... Temos de nos habituar a estas coisas desagradáveis.

Ricardo Taipa disse...

Já apaguei três mensagens do nosso colega brasileiro. Agradeço os comentários dos leitores sejam eles do Brasil ou do Burkina mas não posso aceitar comentários sem sentido ou com a intenção de incendiar o Post. Obrigado e cumprimentos.

PM Misha disse...

contra-brecagem...
fala português, pá! andas a fazer piões na neve, essa é que é essa! q:D

Rui Vilela disse...

A Monika disse que os polacos recarregam a bateria novamente. Encontram-se os cabos nos hipermercados. Mas não sei se a informação está completamente correcta.

Ricardo Taipa disse...

@ Misha

:))))

Pronto eu confesso... eu tenho o vicio dos piões e das atravessadelas. Contudo... tento-me conter o mais possível.

Claro que com tanta neve e curva (sem K e W) possível de "negociar" com travão de mão lá tem de ser...

Agradecimentos aos pais e desculpas por lhes ter dado cabo do Fiat 128 mas que foi uma grande escola foi...

Ricardo Taipa disse...

@ Rui

Sim eu sei dos cabos e das baterias portáteis mas no meu caso a dita estava fraquinha e no pico do Inverno não servia para nada, morreu mesmo, God bless her soul!

Rui Vilela disse...

Dentro da cidade não podes circular a mais de 50Km/h :)

O que aconteceu ao 128? Qundo é que a míuda nasce? Aonde temos de ir?

Geraldo Geraldes disse...

Ahh, ler o teu post fez-me lembrar quando a fazer uma rotunda a uns 25km/h, a cair neve, a traseira do meu saudoso Fiat126 começou finalmente a demonstrar alguma personalidade própria. De facto, não deverei fazer slides em rotundas muitas vezes aqui em Portugal.
Ps: Mas realmente, um tipo comprar um carro italiano a gasóleo é um sacrilégio. Um carro italiano à séria, como sabes bem, quer-se pouco fiável electricamente, bonito mas principalmente um sorvedouro de gasolina

Ricardo Taipa disse...

@ Rui

Volta a ser mais um rapaz e contamos com o nascimento lá para fins deste mês.

O 128 foi enfardado em 2005 para grande desgosto meu. :(

Manter-te-ei actualizado sobre tudo, obrigado. ;)

Ricardo Taipa disse...

@ Geraldo

Tens toda a razão Geraldo!

Para se ter um carro italiano é necessário ter conhecimentos básicos de mecânica e um curso de electricista-auto e de facto italianos só mesmo a gasolina porque isto de rodar a chave e ouvir TEC TEC TEC TEC TEC não tá com nada! :))

mendish disse...

Realmente conduzir na cidade e fora dela a mais de 50kmh com esta neve é suicídio! Em Karków, em algumas vias, o máx. é 70kmh e não simplesmente os típicos 50kmh. Vou experimentar a "contra-brecagem", pois já tenho saudades do meu (tb) velho FIAT 124 ... Boas lempezas matinais à maquina!